sábado, 25 de março de 2017

Entenda a crise na conturbada Somália


Entenda a crise na Somália

BBC
Combatente das milícias islâmicas na Somália
Milícias islâmicas contam com apoio da população em Mogadíscio
A guerra na Somália se intensificou com o envolvimento de forças militares etíopes no conflito entre o governo interino somali e a milícia islâmica que controla boa parte do país.
Forças etíopes e do governo tomaram várias cidade que estavam sob controle da União das Cortes Islâmicas (UCI) e avançam em direção à capital, Mogadíscio.
As últimas informações eram de que as milícias estavam se retirando de suas posições.
O número de mortos ainda é incerto. Ambos os lados afirmam que mataram vários oponentes. A ONU está preocupada com a precária situação dos milhares de refugiados deixados pelo conflito.
Entenda melhor o conflito na Somália e os interesses em jogo.

Quem, afinal, governa a Somália?
É um governo interino - liderado pelo presidente Abdullahi Yusuf e reconhecido pela comunidade internacional - tido como fraco e cada vez mais impotente para lidar com as milícias das União das Cortes Islâmicas (UCI).
O ministro da Defesa teve que fugir com suas tropas quando as UCI avançaram sobre o porto de Kismayo, até então controlado pelo governo.
O governo, cuja sede fica em Baidoa, pediu ajuda internacional. O Conselho de Segurança da ONU aprovou planos de enviar uma força de paz africana para apoiar o governo.
O apoio mais consistente ao governo vem da Etiópia, que iniciou uma incursão militar direta na Somália contra alvos da milícia islâmica.

O que é a União das Cortes Islâmicas?
Trata-se de uma rede formada por 11 tribunais islâmicos criados na capital somali, Mogadíscio, financiados por comerciantes e empresários preocupados com a crescente anarquia na cidade.
O objetivo da UCI é restaurar e impor a Sharia, lei islâmica, e por fim à impunidade e a criminalidade na região. Moradores locais disseram que a atividade criminosa foi reduzida na cidade graças às milícias.
Mas há temores de que o objetivo real das milícias seria o de transformar a Somália num Estado islâmico.
Os Estados Unidos temem que a UCI esteja dando refúgio a militantes da Al-Qaeda, e acredita-se que Washington esteja apoiando a aliança de líderes tribais formada em Mogadíscio para combater a milícia.

Quem apóia a União das Cortes Islâmicas ?
A milícia tem ficado cada vez mais popular entre os residentes da capital somali, mas não se sabe ao certo de onde vêm as armas e o financiamento de sua campanha militar.
Um relatório da ONU disse que as Cortes estavam sendo providas de armas pela Eritréia, e que o governo interino somali estava sendo armado pela Etiópia.
Houve quem dissesse que a UCI estaria sendo financiada pela Arábia Saudita.

Quais são as supostas ligações com a Al-Qaeda?
A UCI nega qualquer ligação com a Al-Qaeda. Mas diplomatas acreditam que pequenos grupos de militantes, entre eles estrangeiros, estariam operando no país.
Houve pelo menos quatro ataques contra alvos dos Estados Unidos ou Israel em países do leste africano, todos eles ligados à Somália.

Qual é o papel da Etiópia no conflito?
A Etiópia estava preocupada com o avanço da milícia islâmica na Somália, que considera uma ameaça, e, por isso, resolveu intervir com uma ação militar no país vizinho.
O Exército etíope enviou tanques e artilharia pesada ao país, e jatos da força aérea etíope bombardearam alvos da milícia islâmica.
O exército da Etiópia é um dos maiores e mais bem-equipados da África, com mais de cem mil soldados treinados.
O primeiro-ministro etíope, Meles Zeawi, disse querer uma guerra "rápida e vitoriosa".
Vários grupos rebeldes tinham prometido resistir ao avanço etíope - o que parece não ter se concretizado.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Brasil: Número de povos indígenas em cada família linguística

Número de povos indígenas em cada família linguística

(Passe o cursor sobre os quadrados para visualizar os números. Clique nos círculos para visualizar mais partes do gráfico)

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Mapa mostra as línguas faladas no mundo e permite que você ouça os sotaques regionais



Qualquer um que já viajou de uma região a outra do Brasil, e, em alguns casos, mesmo de uma cidade a outra, sabe que há diferenças marcantes no vocabulário utilizado e mesmo no jeito como as palavras são pronunciadas.
Essas diferenças territoriais na forma como se fala são suficientes para constituir dialetos. No Brasil, por exemplo, há o dialeto recifense, falado na região metropolitana do Recife; o dialeto caipira, falado em partes de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Goiás e Paraná; e o cearense.
Para quem não conhece uma língua, compreender e se acostumar com essas diferentes formas de falar pode ser tão difícil quanto aprender uma nova gramática. Foi a partir desse problema que David Ding, ex-engenheiro de softwares da Microsoft, criou o Localingual, um mapa interativo on-line no qual é possível ouvir trechos de falas de pessoas de diversas regiões do globo.
Clique aqui e veja o mapa interativo.
Com ele é possível ouvir não só as diferenças entre o português de um gaúcho e de um paraibano, mas também entre um falante de francês de Paris ou de Québec, no Canadá, por exemplo.
O site mostra um mapa-múndi com todos os países. Conforme se dá um zoom na imagem, as divisões administrativas internas — Estados, no caso do Brasil —, assim como algumas das principais cidades, são destacadas. Ao clicar nelas é possível ouvir o som de vozes locais.
O site foi ao ar no dia 8 de janeiro de 2017, e as gravações são enviadas por voluntários. Por isso, mesmo com mais de 18 mil diferentes gravações, ainda há diversos locais com poucos ou nenhum exemplo de falas.
Segundo o criador do Localingual, o objetivo é fazer com que o site, que é mantido à base de doações, se transforme em uma “Wikipédia das línguas e dialetos”, que poderia ser consultada por qualquer interessado em aprender a pronunciar as palavras de acordo com a região do globo.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Fotógrafo faz registro raro de tribo isolada em floresta no Acre; veja imagens

O céu escureceu e uma forte chuva obrigou o helicóptero que sobrevoava uma floresta no Acre a pousar. O temporal demorou para passar e a tripulação decidiu voltar ao ponto de partida antes de escurecer.
.
.
Foto: Ricardo Stuckert
.
.
Foto: Ricardo Stuckert
.
.
Foto: Ricardo Stuckert

.
.
Foto: Ricardo Stuckert

.
.
Foto: Ricardo Stuckert

.
.
Foto: Ricardo Stuckert

.
.
Foto: Ricardo Stuckert

.
.
Foto: Ricardo Stuckert
A chuva frustrou a viagem, mas proporcionou um registro raro e histórico de uma tribo indígena isolada, próximo à fronteira com o Peru. "É como achar uma agulha no palheiro. Pura sorte", definiu o fotógrafo Ricardo Stuckert.

A BBC Brasil teve acesso a parte dos registros feitos por Stuckert no último domingo. Ele viajava para a aldeia Caxinauá (também no Acre), onde faria uma sessão de fotos para o livro Índios Brasileiros . A obra vai documentar a rotina de 12 tribos brasileiras e será lançada no dia 19 de abril de 2017 - Dia do Índio.
Mas ele estava acompanhado do experiente sertanista José Carlos Meirelles, que trabalhou para a Fundação Nacional do Índio (Funai) durante 40 anos, e a dupla resolveu investigar uma área da mata com mais calma.
"Depois da chuva, a gente voltou e viu umas malocas feitas de palha. A gente estava voando muito rápido, mas vimos plantações e decidimos voltar. Encontramos a tribo e eu comecei a fotografar", relata o fotógrafo.
Ao identificar uma possível ameaça, os índios reagiram. Os olhares de surpresa e raiva contra o helicóptero foram registrados pelas poderosas lentes de longo alcance de Stuckert. A tribo atirou dezenas de flechas na tentativa de afastar a aeronave, que sobrevoou a região durante sete minutos.
O próprio Meirelles avalia o voo como algo invasivo à comunidade isolada. "É um registro importante, mas é uma certa agressão. Por isso, a gente toma o cuidado de não voar baixo para não assustar tanto. Por outro lado, o mundo precisa saber que eles existem e que precisamos de políticas para conservá-los", disse Meirelles, que demarcou áreas de tribos isoladas durante os 20 anos que trabalhou na região.
Ele estima que a tribo, identificada apenas como "Índios do Maitá", por estar próxima ao rio de mesmo nome, é composta por cerca de 300 pessoas. O número, segundo ele, é bem grande para uma aldeia isolada.

Algodão

Segundo o sertanista, não há nenhum relato ou documento de aproximação dessa tribo com povos civilizados e até mesmo outros grupos.
Após o sobrevoo e uma primeira análise das fotos de Stuckert, José Carlos Meirelles identificou detalhes que revelam alguns costumes dos índios isolados.
"As mulheres usam uma saiota e eles têm plantações de algodão. São sinais de um povo que tece e fia. Parte deles também possui um cabelo incomum: careca até a metade da cabeça e comprido da metade para trás", relatou.
O sertanista afirmou que os índios são mais altos que a média e os homens amarram o pênis a uma espécie de cinta. O especialista também identificou que a tribo planta milho, banana, mandioca e batata.
O grupo fotografado vive numa área de 630 mil hectares onde estão três reservas indígenas: Kampa Isolados do Envira, Alto Tarauacá e Riozinho do Alto Envira. O sertanista disse que, apesar do completo isolamento, a localização aproximada da tribo já era conhecida.
Nas fotos, não foram identificados objetos ou características que possam ter sido influenciadas ou levadas a eles por outros povos.
Um dos fatores apontados pelos especialistas para a sobrevivência da tribo é o fato dela estar localizada numa região de difícil acesso de madeireiros, garimpeiros e seringueiros.

Emocionante

Stuckert, que trabalhou como fotógrafo da Presidência da República durante oito anos e tem 28 anos de experiência na profissão, disse que o registro dos índios está entre "os mais emocionantes" de sua carreira.
"Eu gostaria de voltar lá, mas acho que a gente não pode ter contato. Precisamos preservar isso e quero que as minhas fotos mostrem que a gente tem que mapear tudo o que está perto e protegê-los para que não tenham problemas externos", afirmou.
O fotógrafo disse ter ficado "maravilhado" por registrar pela primeira vez na sua carreira uma população que nunca teve contato com uma população isolada.
O sertanista José Carlos Meirelles também demonstra felicidade por ter visto os índios isolados, mas se disse preocupado com o possível avanço do desmatamento e de seringueiros.
"Fiquei muito feliz em saber que estão bem. Foi muito bom ver que eles têm um roçado e estão no seu espaço. O problema é que ninguém sabe até quando."

terça-feira, 3 de janeiro de 2017

NO EXTRAVIO DE BAGAGEM, INDENIZAÇÃO PRECISA SER PAGA EM 7 DIAS


http://revistapegn.globo.com/

Além das questões de bagagem, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) fez uma série de modificações nos regulamentos, atingindo tanto as viagens quanto os períodos anteriores e posteriores. A alegação é de que essa nova resolução, também em vigor em 90 dias, consolida os regulamentos, reduzindo em cerca de 180 artigos o estoque de normas. Outro destaque fica para as mudanças envolvendo as bagagens extraviadas.
Em caso de extravio, a partir de março, o passageiro deverá fazer imediatamente o protesto. Aí passará a valer um prazo de 7 dias para devolução dos itens (anteriormente esse prazo era de 30 dias). Em voos internacionais, será de 21 dias.Caso a empresa aérea não encontre a bagagem no prazo indicado, terá até sete dias para pagar a indenização devida (atualmente não há prazo definido). No caso de dano ou violação, o passageiro tem até sete dias para fazer o protesto.

A empresa aérea deverá reparar o dano ou substituir a bagagem em até sete dias do protesto. Da mesma forma, deve indenizar a violação nos mesmos sete dias.No Brasil, o teto estabelecido por resolução da Anac até 2015 é de cerca de R$ 4 mil. No exterior, a Convenção de Montreal, que rege as questões relativas a bagagens em voos internacionais, estabelece reembolso máximo em torno de 1.200 euros.

Vantagens
A Anac alega que a medida traz inovações ao consumidor, como direito de desistência da compra da passagem sem ônus em até 24 horas após a compra. O não comparecimento do passageiro no primeiro trecho de um voo de ida e volta, por exemplo, deixa de resultar no cancelamento automático do trecho de volta, desde que o passageiro informe à empresa aérea até o horário originalmente contratado do voo de ida.

Caso o passageiro não consiga embarcar, a empresa aérea deverá realizar, imediatamente, o pagamento de compensação financeira, podendo ser por meio de transferência bancária, voucher ou em espécie, no valor de 250 DES (um bônus chamado Direito Especial de Saque) para voo doméstico e de 500 DES, no caso de voo internacional. Cada Direito Especial de Saque, determinado por cotação do Banco Central, valia ontem R$ 4,57.Em caso de desistência do passageiro, passa a haver proibição de multa superior ao valor da passagem. A tarifa de embarque e demais taxas deverão ser integralmente reembolsadas.

A empresa deve oferecer opção de passagem com regras flexíveis, garantindo até 95% de reembolso. E vale ressaltar que empresas internacionais com escritórios no País respondem às mesmas determinações.

Crítica
Na segunda-feira, 12, o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) criticou diversos pontos da reforma como a limitação de assistência material aos passageiros e a redução no prazo para o cancelamento de voo de 7 dias, segundo Código de Defesa do Consumidor. Sobre a franquia de bagagem, entende que não há garantia de redução do preço da passagem.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

República da Calmúquia, parte da Europa onde o budismo é a religião dominante


República da Calmúquia ou Kalmykia (em calmuco: Хальмг Таңһч, transl. Xal'mg Tanghch; em russo: Республика Калмыкия, transl. Respublika Kalmykiya) é uma divisão federal da Federação Russa (uma república). É a única região da Europa onde o budismo é a religião maioritária, e tornou-se também famosa devido a ter-se tornado o centro mundial do xadrez por determinação dos seus dirigentes. Os calmucos estão relacionados etnicamente com os mongóis. A sua capital é Elista. Seu atual presidente é Aleksey Maratovich Orlov.


RELIGIÃO
budismo na Calmúquia é tibetano na sua origem. Números significantes de cristãos ortodoxos e muçulmanos vivem igualmente na Calmúquia, tal como um número significante de ateus, como era típico da Rússia durante o período soviético.

O Templo de Ouro na capital, Elista


TURISMO
Os turistas começaram a afluir à Calmúquia, viajando principalmente de Volgogrado para Elista. Alguns registos das suas viagens estão presentes no YouTube e noutros sites. A Calmúquia é um destino seguro para turistas estrangeiros, tendo o território ganhado muita publicidade após acolher as Olimpíadas de Xadrez de 1998 em Elista. Muitos visitantes se espantam com o número de camelos presente no interior da república; de facto, a Calmúquia é lar do único camelo indo-europeu. Na sua capital existe pouco trânsito.

Mais informações disponíveis no artigo em inglês da Wikipédia, AQUI.
E ainda: Conheça cinco regiões russas que querem se separar da Federação, AQUI.

Elista

Língua oficialrusso
Outras línguas:calmuco
CapitalElista
Área74.721,3 km²
População292.410
Densidade populacional3,9/km²

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Google Noto: A primeira tipografia (fonte) universal

Thoughtful guy in a white T-shirt



 Imagem: Fotolia
http://www.designculture.com.br/


O mundo nunca esteve tão focado em resolver problemas. O design tem sido a principal ferramenta para tal. Através do dele, já foi possível resolver problemas em indústrias, tecnologias, no espaço urbano e até na sociedade. Desta vez, o alvo é uma das coisas mais valiosas para o ser humano: a linguagem escrita. Como torná-la global?
Pensando nisso, o Google e a Monotype estão realizando um marco na história. As duas empresas se juntaram para criar Noto, uma tipografia que está em desenvolvimento há mais de 5 anos.  O novo tipo já pode ser usado em 100 sistemas de escrita diferentes e está disponível em 800 idiomas. Sem erros, sem bugs e com todos os acentos que você puder imaginar.
O FIM DO TOFU
Calma, não vão acabar com o queijo de soja. De acordo com o site da Monotype, “O Google enviou para nós um briefing direto: ‘sem mais tofu’ – tofu sendo o apelido para a aquelas caixas brancas, que são mostradas quando um computador ou site não possui suporte de fonte para um tipo particular de caractere. Clique aqui para ver um exemplo. Daí veio o nome do projeto, ao juntar duas sílabas do pedido no more tofu”. a
mt_noto_languages_100writingsystems
malayalam-devanagari
O objetivo do Google Noto é tornar a comunicação mais fácil entre todos os dispositivos do mundo. Bob Jung, especialista em internacionalização do Google, diz que a sua visão é de manter a informação sempre viva. “Se tratando de idiomas menos utilizados, línguas mortas e outros que só existem para fins acadêmicos, nós acreditamos que é muito importante preservá-los”. O Latim (aquele do Lorem Ipsum, manja?) e o Copto são duas línguas mortas, mas que foram inclusas na família do Google Noto. O Noto também suporta símbolos, emojis e caracteres musicais.
“É difícil para mim ter uma noção de quantas pessoas realmente utilizarão isso, ou conseguirão se comunicar em várias linguagens com seus idiomas nativos, que conseguirão traduzir e preservar suas culturas. Acho que este trabalho tem um significado duradouro para o futuro da comunicação digital.” disse Steve Matterson, designer da Monotype.
Louco pra baixar o Noto? É só clicar aqui e você terá acesso a toda família desta tipografia que veio para revolucionar a comunicação.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Anac deve aprovar na semana que vem fim da bagagem grátis em voos

Folhapress
Implementação das novas regras deve ser gradual (Foto: Folhapress)

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) deve aprovar na semana que vem as novas normas do setor aéreo que têm como ponto mais polêmico o fim do transporte grátis de bagagem para todos os passageiros.
As novas regras vão permitir que as empresas passem a cobrar pelo despacho de bagagem em todos os voos nacionais e internacionais. Atualmente, cada passageiro pode levar uma mala de 23 kg nas viagens dentro do Brasil e até duas malas de 32 kg para voos para o exterior.
Se a norma for mesmo ratificada pelo conselho da agência, os passageiros terão direito a levar, gratuitamente, apenas a bagagem de mão. O limite máximo, no entanto, deve passar dos atuais 5 kg para 10 kg.
A proposta foi divulgada pela Anac em março. Os passageiros tiveram dois meses para apresentar propostas de alteração das normas. Depois de debates internos na Anac, a resolução deve ser votada pelo conselho da agência na próxima semana.
Mudança gradual
Segundo a minuta da resolução que deve ser votada na próxima semana pela Anac, o fim do despacho grátis de bagagem só deve valer a partir de outubro de 2018. Até lá, deve ocorrer uma redução gradual.
  • Os voos domésticos continuam até outubro de 2018 com o limite de uma mala de até 23 kg.
  • Voos para América do Sul e Central terão direito a uma mala de 23 kg.
  • Demais destinos internacionais mantêm a permissão de duas malas, mas com peso máximo de 23 kg em vez dos 32 kg atuais.
  • A partir de 1º de outubro, os passageiros de todos os voos, nacionais e internacionais, terão direito a apenas uma mala de 23 kg.
  • Um ano depois, a partir de 1º de outubro de 2018, as franquias de bagagem despachada passam a ser livremente estabelecidas pelas companhias aéreas.
Indenização
A resolução prevê que, caso uma bagagem seja extraviada, as companhias aéreas passem a ser obrigadas a pagar uma indenização imediata aos passageiros no valor de 100 DES (Direito Especial de Saque), que hoje equivale a R$ 469,77. Em voos internacionais, o ressarcimento de despesas pode ser feito em até 14 dias com um valor máximo de 1.131 DES, o equivalente a R$ 5.313.
Caso o passageiro leve itens de valor que superem os limites de indenização, terá o direito de fazer uma declaração de valor para receber a indenização mais rapidamente.
Quando um passageiro não puder embarcar porque a empresa vendeu mais passagens do que assentos disponíveis, o chamado overbooking, a empresa deve procurar por voluntários para embarcar em outro voo mediante compensações negociadas entre as partes. Se mesmo assim um passageiro não conseguir embarcar, a indenização será de 150 DES (R$ 704) para voos nacionais e 400 DES (R$ 1.879) para voos internacionais.
Alteração pelo passageiro
As novas regras determinam que as empresas coloquem à disposição dos passageiros pelo menos uma opção de bilhete com multa máxima de 5% do valor total pago em caso de cancelamento ou alteração da passagem.
Outra mudança é que o passageiro poderá desistir da compra da passagem, sem qualquer multa, em até 24 horas da confirmação de compra. A possibilidade só é válida para passagens adquiridas com, no mínimo, sete dias de antecedência.
Além disso, em casos de grafia errada do nome do passageiro no bilhete, a passagem terá de ser corrigida gratuitamente antes de o cartão de embarque ser impresso.
O projeto previa, ainda, a permissão para a transferência da passagem para outro passageiro. No entanto, esse é um dos pontos que deve ser vetado. O temor é que se crie no Brasil um mercado paralelo de passagens aéreas.
Atrasos e cancelamentos
Em caso de atrasos e cancelamentos, as companhias aéreas continuam sujeitas a prestar assistência aos passageiros. No entanto, essa obrigação ocorrerá somente nos casos nos quais a culpa pelos transtornos for da própria companhia. Em casos de fechamento prolongado dos aeroportos por má condições do clima, as companhias ficam isentas de responsabilidade.
“Em caso de força maior imprevisível ou caso fortuito não imputável ao operador aéreo que cause a interrupção total do serviço no aeroporto da origem ou do destino do voo, o transportador poderá suspender a assistência material, caso o evento se prolongue por um período superior a 24 horas, salvo se o passageiro se encontrar em aeroporto de escala ou conexão”, diz a minuta da resolução que deve ser votada na próxima semana.
Apoio das companhias
As mudanças têm sido fortemente defendidas pelas principais companhias aéreas que operam no Brasil. “Apesar de ser um setor internacional, sem fronteira, ainda tem regras muito rígidas quando comparado ao resto do mundo. Grande parte da nossa demanda junto ao governo é inserir o Brasil em um nível de competitividade mundial. A gente tem um custo que é desproporcional ao de outros países”, afirmou a presidente a Latam, Claudia Sender, em recente entrevista ao UOL.
A cobrança pela bagagem despachada é uma realidade nos principais mercados de aviação, como Estados Unidos e Europa. E não são somente as companhais de baixo custo que adotam a prática. Nos Estados Unidos, as taxas variam entre US$ 20 (R$ 68) e US$ 30 (R$ 102) para a primeira mala. Na Europa, o valor de apenas uma mala de 20 kg varia entre € 25 (R$ 91) e € 35 (128).

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Conheça os fones de ouvido que prometem traduzir idiomas em tempo real




Não se trata de uma espécie de Peixe de Babel (Babel Fish), criado por Douglas Adams em “O Guia dos Mochileiros das Galáxias”, e tampouco traduzirá palavras alienígenas.
Porém, o conceito é semelhante. Trata-se uma nova tecnologia criada pela startup Waverly Labs, de Nova York, que, em breve, facilitará o contato entre pessoas de diversas culturas. O aparelho funciona como um pequeno fone de ouvido que traduz em tempo real o que está sendo falando em diversos idiomas.
Apelidado de Pilot, ele é muito semelhante a um fone regular, só que não possui fios ou cabos, e permite conexão com a internet. Dessa forma, para as pessoas que costumam viajar para países onde o idioma falado é desconhecido por ela, a internet poderá intermediar a tradução.

A versão inicial será lançada na próxima semana e a campanha de financiamento coletivo, intermediada pelo site Indiegogo, iniciará no dia 25 de maio. Serão dispostas traduções para idiomas em inglês, espanhol, francês e italiano. De acordo com a empresa, em breve serão dispostas outras línguas, tais como, hindi, árabe, algumas línguas do leste asiático e também eslavas. Português? Não tem previsão.
Até o momento, os detalhes tecnológicos sobre o funcionamento do produto são poucos. Ao que tudo indica, segundo relatado pela Science Alert, ele é capaz também de funcionar sem conexão com a internet apenas emparelhando-o com um aplicativo de smartphone. Estima-se que o produto final vá custar entre U$ 249 e U$299 (R$ 880 e R$ 1057, respectivamente) e o início das vendas ainda não foi anunciado.
A primeira versão do dispositivo só funcionará quando a pessoa estiver falando com alguém que também possua o auricular. Porém, a empresa disse que as versões futuras serão capazes de traduzir qualquer fonte falada que esteja perto da pessoa com o Pilot.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...